Você sabia que o controle financeiro pessoal é apontado como a ferramenta de maior importância para lidar melhor com seu dinheiro? Pois é.

É fato que nem todo mundo sabe lidar com suas próprias finanças, principalmente no Brasil. Todos os dias, milhares de pessoas passam pelo sufoco de não saber como pagar as contas no final do mês ou pelas dívidas que já acumularam. Isso tem muito a ver com a ausência de uma boa educação financeira, que culmina em diversos outros fatores. 

Ainda que essa seja a realidade, todos desejam ter um bom controle financeiro pessoal e se livrar dos perrengues mensais. Pensando nisso, nós separamos algumas dicas para te ajudar a controlar suas finanças.

Por meio de um bom planejamento financeiro, que leva em conta, em suma, suas receitas e despesas, é possível alcançar a tão sonhada estabilidade financeira

O que é controle financeiro pessoal?

O controle financeiro pessoal é baseado em uma boa educação financeira. A falta dessa educação na maior parte da população brasileira é o motivo pelo qual os brasileiros passam por tantos problemas relacionados às suas finanças.

Sem uma boa educação financeira fica difícil controlar receitas e despesas, sua conta bancária, possíveis investimentos e outros aspectos ligados ao seu dinheiro, não é mesmo?

A solução para essas questões está, então, no controle financeiro pessoal. Somente fazendo o controle financeiro é que você vai conseguir lidar com suas finanças da forma correta e evitar problemas que trazem muita dor de cabeça.

O controle financeiro pessoal é a forma mais básica de cuidar do seu dinheiro. Administrando bem suas finanças, você estará ciente das suas receitas e despesas e de outros aspectos financeiros.

Além disso, o controle financeiro pessoal traz a possibilidade de multiplicar seu dinheiro. Por meio do pleno conhecimento de sua renda adquirido graças ao controle. Há mais possibilidades de ter dinheiro sobrando no fim do mês, que pode ser usado para investimentos, por exemplo. 

Ter controle financeiro pessoal não indica apenas melhorias financeiras, mas também na qualidade de vida. O planejamento financeiro diminui nossas preocupações e nos dá mais tempo para nos dedicarmos a outras áreas da nossa vida.

10 dicas para planejar e fazer o controle financeiro pessoal 

Em um nível muito básico, a gestão financeira pessoal significa simplesmente compreender a sua situação financeira para aproveitar ao máximo os seus ativos no dia a dia e no planejamento futuro.

Saiba que pessoas financeiramente bem-sucedidas são aquelas que dedicam
tempo e energia para fazer orçamentos, administrar e planejar regularmente suas finanças. Em outras palavras, requer disciplina para obter uma educação financeira e continuar a expandir essa educação ao longo da vida.

Fato é que a educação financeira é algo que quase ninguém recebe enquanto cresce, mas é um dos principais componentes do sucesso financeiro.

Se você é novo em finanças pessoais ou está simplesmente procurando maneiras de expandir seus conhecimentos financeiros, aqui estão 10 etapas para planejar as finanças e ter controle financeiro.

1. Conheça seu dinheiro

O conhecimento sobre suas finanças é o primeiro passo para alcançar o controle financeiro pessoal. Nesse aspecto, é preciso levar em conta suas receitas e despesas, incluindo o que é fixo e o que varia. 

É importante lembrar que você deve levar em conta seu salário líquido e não o bruto, já que muitas pessoas acabam pensando em sua renda bruta, esquecendo dos descontos. 

Quanto ao custo de vida, sempre inclua no seu planejamento as contas fixas e variáveis. Para descobrir qual é o seu custo de vida, é só somar o valor médio de suas despesas. 

Algo que pode ajudar muito nesse controle são os aplicativos para controle de gastos e as planilhas de gastos. Eles ajudam muito a organizar as finanças e a não acabar se perdendo no meio de tantas coisas e números. Alguns têm, inclusive, a função de incluir outros membros da família, o que auxilia bastante no controle financeiro familiar. 

2. Descubra gastos supérfluos

Quando falamos de controle financeiro pessoal, precisamos entender a importância e a força que a palavra controle tem. Ser bem sucedido financeiramente, principalmente quando você não tem muito dinheiro, exige muito autocontrole. 

Os gastos supérfluos são grandes inimigos da saúde financeira. Ao invés de gastar com coisas desse tipo você poderia estar investindo seu dinheiro.

A gente tem que acabar com essa ideia de que investir exige muito dinheiro, tempo e conhecimento. A realidade é que existem diversos investimentos bem tranquilos e que podem ser iniciados com pouco dinheiro.

Uma forma de contabilizar esses gastos é anotando tudo. Não deixe nada passar! Coloque tudo na sua lista, planilha ou aplicativo. Não importa o meio, contanto que consiga controlar esses gastos.

Fazendo isso, a cada mês, você também deve parar para analisar o que pode mudar em seus gastos. Este hábito vai ajudar a dispersar aquela sensação de: “onde meu dinheiro foi parar?”.

Se você deseja saber como fazer um detox financeiro, leia esse artigo que te explica o passo a passo para você ter uma vida equilibrada financeiramente e começar a economizar de forma consciente.

3. Separe seus gastos por categorias

Após identificar seus gastos, uma boa dica é dividir por categorias, separando os gastos fixos dos gastos variáveis. Isso vai facilitar bastante o seu controle financeiro pessoal.

Gastos FixosGastos Variáveis
AluguelRestaurantes
ÁguaBares
LuzCabelereiro e salão de beleza
SupermercadoCinema
CelularFestas e baladas
InternetPresentes para amigos e familiares
SaúdeCompras online
TransporteEmergências

Fazendo isso, você consegue ver para onde seu dinheiro está indo, com o que você gasta mais e com o que tem gasto inutilmente. É interessante que, todo mês, você calcule a porcentagem que cada gasto indica no total das despesas, e existem aplicativos para isso. 

No caso de gastos emergenciais, é importante que o dinheiro seja tirado de uma reserva de emergência. Você pode saber mais sobre isso clicando aqui

4. Compare preços

Comparar preços pode dar um pouco de trabalho, mas faz muita diferença nos gastos finais. Você pode observar que a variação de um preço para outro é bem pouca, mas, em outros casos, pode variar bastante. 

Existem, ainda, casos em que um supermercado tem bons preços em produtos de limpeza e higiene, mas os legumes, frutas e verduras são muito caros. Em contrapartida, outro mercado tem itens de hortifruti mais baratos, enquanto outros produtos são mais caros. Por isso, algumas vezes, vale a pena variar de estabelecimento e ir em busca das melhores opções. 

Leve em conta também questões como dias de promoção, descontos em maior quantidade de unidades e o peso dos produtos. Além disso, é importante lembrar que nem sempre um supermercado que fica muito longe de casa – mesmo que tenha boas promoções – sairá realmente mais barato, afinal de contas, você também terá que lidar com questões como gasolina e estacionamento, por exemplo.

Tudo isso exige uma pesquisa prévia, mas, com o tempo e aos poucos, você conseguirá se adequar às rotinas dos estabelecimentos e isso se tornará parte dos seus hábitos.

5. Acabe com as dívidas

A dívida é um grande obstáculo para muitos quando se trata de atingir suas metas financeiras. É por isso que você deve priorizar saldá-las. Faça um plano de eliminação de dívidas para ajudá-lo a saldá-las mais rapidamente. Quando estiver totalmente sem dívidas, comprometa-se a ficar sem dívidas.

Se você não tem dívidas, já está mais avançado na busca do controle financeiro pessoal. No entanto, se esse não é o seu caso, você deve pensar em suas dívidas como prioridade.

Levando em conta o fato de que as dívidas possuem juros, quanto mais tempo você demorar para quitá-las, mais caras elas irão ficar. Isso é péssimo para suas finanças e acaba “comendo” valores que poderiam ser bem melhor direcionados. 

Deixar o cartão de crédito em casa pode ser uma estratégia inteligente. Economize um fundo de emergência para cobrir despesas inesperadas, para que não fique tentado a usar um cartão de crédito para cobri-las. Neste caso, você pode tentar renegociar ou parcelar suas dívidas. Mas lembre-se de não atrasar mais e solucionar logo esse problema.

Entender o tipo de dívida que você tem e como isso aconteceu pode ajudá-lo a criar um plano para saldá-la e diminuir a probabilidade de que você volte a se endividar no futuro. Atente-se!

Lembre-se que ter alguma economia dedicada à emergência o impedirá de recorrer a cartões de crédito sempre que tiver uma emergência financeira. 

5.1. Crie uma estratégia de pagamento de dívidas

Você não pode dar um pontapé inicial em seu futuro financeiro se estiver carregando uma tonelada de dívidas. Entre taxas de juros altíssimas, pagamentos mensais mínimos e os danos que muitas dívidas podem causar à sua pontuação de crédito, é melhor você pagar suas dívidas primeiro, antes de começar a investir. Crie uma estratégia de pagamento de dívidas e seja perseverante.

6. Limite suas compras com cartão de crédito

Os cartões de crédito podem se tornar o pior inimigo de quem gasta mal. Quando você fica sem dinheiro, basta recorrer aos seus cartões de crédito sem considerar se terá condições de pagar o saldo. Resista à tentação de usar seus cartões de crédito para compras que você não pode pagar, especialmente em itens de que você realmente não precisa.

Agora, se você tem um certo controle financeiro para usar cartão de crédito, tire vantagem disso, com os programas de cashback. O cashback é uma solução prática, fácil para recuperar parte do seu dinheiro depois que você comprou algo. Normalmente, serve para compras on-line, mas às vezes também serve para compras em lojas físicas.

Confira aqui tudo o que você precisa saber sobre o cashback.

7. Defina metas para economizar

Você tem objetivos financeiros claros ? Definir metas para o que você deseja alcançar com seu dinheiro pode fornecer um plano prático a ser seguido e um motivo para permanecer motivado. Mas quais objetivos financeiros são mais importantes para alcançar na vida?

A definição de metas também faz parte de um planejamento financeiro. Este, na realidade, é um ponto muito importante. Se você quer começar a investir, por exemplo, não pode ficar contando só com o dinheiro que sobrar no fim do mês, precisa se planejar para economizar e colocar o dinheiro destinado ao investimento como parte de seus gastos fixos. 

Ao definir suas metas, certifique-se de que sejam realistas. Para isso, é necessário disciplina. Você precisa estabelecer metas e padrões para economizar dinheiro. Só assim será possível alcançar seus objetivos.

8. Reserve dinheiro para gastos anuais

É comum, ao longo do ano, levar em conta apenas os gastos mensais. No entanto, quando chega o final do ano, nos deparamos com gastos como IPVA, IPTU e seguros.

E, nesse momento, se não tiver um planejamento prévio, estaremos despreparados. Por isso, é importante reservar uma quantia todo mês para cobrir esses gastos finais.

Mesmo que você viva com um orçamento limitado e tenha poucas dívidas, nem sempre pode prever as reviravoltas da vida. Quando uma doença ou lesão o deixa impossibilitado de trabalhar a curto prazo ou você precise pagar pelos reparos, seu fundo de emergência pode te salvar.

9. Crie um plano financeiro

Um plano financeiro é essencial para assumir o controle de suas finanças e
cumprir metas específicas. Além disso, o planejamento financeiro ajuda a determinar suas metas financeiras de curto e longo prazo e a criar um plano equilibrado para atender a essas metas.

Ou seja, ter um plano financeiro é essencial para ajudá-lo a atingir seus objetivos financeiros. Mas para alcançar bons resultados é fundamental decidir quais prioridades são mais importantes para você. Como? Primeiramente, defina qual seu perfil de investidor.

Além disso, foque em direção às suas metas de aposentadoria de longo prazo, mas também comece a se concentrar nas metas de médio prazo mais importantes que você estabeleceu para si mesmo.

Vale lembrar que um plano financeiro adequado considera suas decisões pessoais, objetivos de vida e tolerância ao risco. Ele atua como um guia para ajudar a escolher os tipos certos de investimentos para atender às suas necessidades, personalidade e objetivos diversos.

Descubra aqui como avaliar os riscos de investimentos antes de fazer uma aplicação.

10. Invista!

Investir é a chave para alcançar bons resultados financeiros. Estamos cada vez mais deixando para traz a ideia de que só pessoas ricas e com muito conhecimento conseguem investir. Na realidade, investir é muito fácil, contanto que você tenha controle financeiro pessoal, claro. 

Aprender a poupar é importante, mas, para ir além, é preciso investir. Aqui na INCO você pode começar investindo com apenas 1000 reais, além de ser muito simples. Não é preciso tanta dor de cabeça e você ainda consegue bons resultados, bastante rentáveis. 

Lembre-se que investir é um processo de longo prazo, por isso você precisa se comprometer se realmente quiser ver seu dinheiro crescer.

Para começar, cadastre-se aqui no nosso site. É bem simples e rápido. Você só precisa criar uma conta, assinar o contrato digital e pagar um boleto. 

10.1. Faça uma autoanálise financeira

À medida que você começa a aprender sobre tópicos de finanças pessoais, como gastos, poupança, crédito, dívidas, estratégias de investimentos e aposentadoria é essencial fazer uma análise para saber se suas decisões estão plausíveis com seu planejamento financeiro.

Para isso, você pode responder as seguintes perguntas:

  • Quais passos você deu no último mês que te deixou mais perto dos seus objetivos?
  • Quais fatores aconteceram que te afastaram dos seus objetivos?
  • Seus gastos estão de acordo com seus valores e objetivos financeiros?
  • Que erros cometi na hora de investir?
  • Minhas metas financeiras ainda são realistas?
  • Quais serão as possíveis despesas as quais eu terei nos próximos três meses que poderão interferir no meu investimento?

O controle financeiro pessoal é fundamental para a estabilidade financeira

Vale ressaltar que sua jornada para a independência financeira nem sempre será fácil. Seguir todas essas dicas pode dar um pouco de trabalho, mas a recompensa é certa. Aliás, ter controle financeiro pessoal não precisa ser uma experiência difícil.

Além de necessária te ajudará a progredir em direção a seus objetivos financeiros. Mas não basta poupar, economizar e diminuir seus gastos: lembre-se da importância de ir além e investir! 

Ao planejar suas metas financeiras, lembre-se de considerar onde cada uma dessas prioridades se encaixa no cenário em que você se encontra. Não deixe para depois. Comece hoje mesmo e tome as rédeas de sua vida financeira.

Se você seguir as etapas acima, pode apostar que terá uma vida financeira muito mais tranquila.

Publicações relacionadas