Pular para o conteúdo

Como começar a investir com pouco dinheiro: Dicas para iniciantes

Começar a investir dinheiro é uma ótima maneira de garantir uma vida financeira saudável e segura no longo prazo. 

Mas para muitos iniciantes, a ideia de começar a investir pode parecer intimidante e confusa. Felizmente, existem muitas maneiras de começar a investir, mesmo que você tenha pouco dinheiro. 

Neste artigo, vamos explorar algumas dicas e estratégias para ajudá-lo a começar a investir e alcançar suas metas financeiras.

O que você precisa saber antes de começar a investir? 

Organização e educação financeira

Para quem deseja começar a investir, a organização financeira e a educação financeira são fundamentais para garantir um bom desempenho e minimizar riscos. É importante entender que o processo de investir não se resume apenas em aplicar dinheiro em algum lugar, mas sim em gerir e acompanhar seus investimentos ao longo do tempo.

A organização financeira começa com o estabelecimento de um orçamento pessoal. Comece listando todas as suas fontes de renda e despesas mensais, em seguida, defina prioridades, estabeleça metas e acompanhe regularmente seus gastos e receitas. Com isso, você poderá ter uma ideia mais clara do quanto pode investir. 

A educação financeira é igualmente importante, pois permite que você entenda melhor o funcionamento do mercado financeiro e dos diferentes tipos de investimento disponíveis. Ao se educar financeiramente, você poderá avaliar melhor os riscos e benefícios de cada tipo de investimento, além de entender como diversificar sua carteira e minimizar os riscos.

Renegociação de dívidas

Outro ponto relevante antes de começar a investir é avaliar se você tem dívidas.

Isso porque as dívidas podem comprometer sua capacidade de investimento e, em muitos casos, acabar gerando mais pendências, tornando ainda mais difícil começar a investir.

Uma das melhores maneiras de lidar com as dívidas é por meio da renegociação. Essa estratégia permite que você negocie com o credor para obter melhores condições de pagamento, como parcelas menores ou juros mais baixos.

Para renegociar suas dívidas, comece listando todas elas e organizando seus valores e condições de pagamento. Em seguida, entre em contato com seus credores e negocie novas condições. É importante ter em mente que nem sempre os credores estarão dispostos a negociar, mas é possível conseguir bons resultados em muitos casos.

Construa a sua reserva de emergência

Se você está começando agora do zero e com pouco dinheiro, o primeiro passo para começar a investir é ter uma reserva de emergência, que, justamente, deve ser sua primeira meta. 

A reserva de emergência é o dinheiro que você deve ter disponível para cobrir despesas inesperadas, como uma emergência médica, reparo no carro ou problemas em casa. Essa reserva deve ter um valor que cubra pelo menos três a seis meses de suas despesas básicas. 

É importante que ela esteja em uma aplicação de baixo risco e com alta liquidez, ou seja, em uma renda fixa, aplicado em um Tesouro Selic ou um CDB com liquidez diária.

Metas de investimento

Tendo em mãos a organização e o planejamento financeiro, além das eventuais dívidas sob controle ou em processo de negociação, o próximo passo é estabelecer as suas metas de investimento. 

Ter metas claras de investimento é extremamente relevante antes de começar a investir. Existem diversas formas de definir metas e uma delas é o método EMART (SMART em inglês), uma metodologia que estabelece metas específicas, mensuráveis, alcançáveis, realistas e temporalizadas.

Ao estabelecer metas SMART, você terá uma ideia clara do que deseja alcançar e de como medir seu progresso ao longo do tempo.

Primeiros passos para começar a investir

Saiba o seu perfil de investidor

Para começar a investir, é fundamental que se entenda qual é o seu perfil de investidor. Existem três perfis principais: conservador, moderado e arrojado.

Conservador: É aquele que tem aversão a riscos e prefere investimentos mais seguros, como títulos públicos ou renda fixa. 

Moderado: Está disposto a assumir um pouco mais de riscos em busca de rentabilidades maiores, mas ainda assim preza por investimentos seguros como fundos multimercado. 

Arrojado: É o que tem maior disposição para correr riscos em busca de altas rentabilidades, geralmente investindo em renda variável como ações ou fundos de investimento em ações.

É importante ressaltar que o perfil de investidor não é algo estático e pode mudar ao longo do tempo conforme a experiência e os objetivos financeiros da pessoa. Por isso, é importante que se faça uma análise criteriosa antes de escolher onde investir.

Para quem está começando a investir com pouco dinheiro, é natural que se comece com um perfil mais conservador e vá evoluindo conforme se adquire mais experiência e conhecimento.

O importante é sempre buscar diversificar os investimentos, mesmo dentro de um perfil mais conservador, para reduzir os riscos e aumentar as chances de rentabilidade a longo prazo.

Aprenda a diversificar os seus investimentos 

Ao começar a investir, a diversificação é fundamental. Investir em apenas um tipo de ativo pode ser arriscado, pois você estará colocando todos os seus ovos na mesma cesta. Se essa cesta falhar, você corre o risco de perder tudo.

Diversificar seus investimentos significa investir em diferentes tipos de ativos. Essa estratégia ajuda a minimizar os riscos e aumentar as chances de retorno no longo prazo. A ideia é que, se um dos seus investimentos não estiver indo tão bem, os outros poderão compensar essa eventual perda/baixa nos valores.

Embora a diversificação de investimentos não seja garantia de lucro, ela pode ajudar a maximizar os ganhos e minimizar o risco de perdas significativas em uma única área. Diversificar ajuda a distribuir o risco em várias classes de ativos, reduzindo o risco e aumentando as chances de se obter retornos mais altos.

É importante que o investidor faça a diversificação de forma estratégica, levando em consideração o seu perfil de risco, suas metas e objetivos financeiros, além de avaliar as possíveis alternativas de investimento disponíveis.

Aprenda a avaliar outros pontos além da rentabilidade

Ao escolher investimentos, é importante analisar outros fatores além da  rentabilidade. 

Na INCO por exemplo, temos outros elementos como a análise de crédito, risco e liquidez da operação, retorno do projeto e outros itens relevantes disponibilizados e que são cruciais para determinar quais investimentos são de fato adequados para você.

Independente de onde você for investir, alguns pontos que você precisa saber como avaliar são: 

Análise de crédito: O local em que você está começando a investir faz uma boa análise de crédito?

Essa análise consiste em avaliar a capacidade de uma empresa de pagar suas dívidas. Isso envolve uma avaliação das finanças da empresa, histórico, etc. 

Saber se o local em que você está começando a investir faz uma boa análise de crédito é importante porque ajuda a determinar se aquele investimento é seguro para o seu perfil no momento. Na INCO por exemplo, apenas um percentual ínfimo das empresas que desejam captar, de fato conseguem passar na análise.

Liquidez

A liquidez é a facilidade com que você pode comprar ou vender um ativo. Investimentos mais líquidos podem ser facilmente convertidos em dinheiro, enquanto investimentos menos líquidos podem ser difíceis de vender ou podem ter uma liquidez limitada (e por isso tendem a entregar um maior prêmio pelo risco). 

Existem investimentos com todos os tipos de liquidez, até mesmo diária. É importante considerar a liquidez de um investimento porque ela afeta diretamente a capacidade de ter acesso ao dinheiro investido em caso de alguma necessidade, interferindo por exemplo, na realização de alguma meta.

Risco

O risco desse investimento é adequado para o meu perfil nesse momento?

Todo investimento envolve algum grau de risco, mas alguns são mais arriscados do que outros. Para avaliar o risco de um investimento, é importante verificar se a própria empresa já oferece essa análise classificando o nível de risco da operação, ou se for analisar sozinho(a), verificar fatores como: cobertura do FGC ou de outras garantias aplicáveis, histórico do ativo, tipo de investimento (renda fixa ou variável), etc. 

Retorno

Retorno nos ativos se refere aos ganhos ou perdas que um investimento pode gerar. É importante, nesse ponto, destacar a diferença entre retorno e rentabilidade. 

A rentabilidade é o retorno sobre o investimento expresso como uma taxa percentual, enquanto o retorno é o valor absoluto dos ganhos ou perdas. Você também pode utilizar a rentabilidade para comparar investimentos diferentes, enquanto o retorno é uma medida mais direta e específica do desempenho de um investimento.

Ao avaliar esses fatores, é importante entender que todos eles estão inter-relacionados. Por exemplo, um investimento com alta liquidez oferece a flexibilidade de poder ser vendido rapidamente, mas pode ter um retorno mais baixo do que um investimento com baixa liquidez.

Além disso, um investimento de alto risco pode ter um retorno potencial mais elevado, mas também pode ter um risco maior de perda. 

Comece a estudar sobre os mais diversos tipos de investimento

Com esses elementos em mãos, agora, é preciso que você dedique um tempo para estudar sobre os diferentes tipos de investimento. Se você está começando a investir agora e ainda tem pouco dinheiro para começar, pode ser interessante começar os seus estudos pela renda fixa. 

O que são investimentos de renda fixa?

Renda fixa é uma modalidade de investimento na qual o investidor empresta seu dinheiro a uma instituição, que se compromete a devolvê-lo acrescido de juros em um prazo determinado. O retorno financeiro é definido no momento da contratação e, por isso, é considerado uma opção mais conservadora e segura.

Em geral, esses investimentos possuem uma rentabilidade previsível e menor risco de perdas significativas, já que geralmente possuem garantias ou são emitidos por instituições sólidas.

Algumas opções disponíveis na renda fixa são:

Tesouro Direto 

O Tesouro Direto é um dos investimentos mais populares para iniciantes. Trata-se de um programa do Tesouro Nacional que permite a compra de títulos públicos por pessoas físicas pela internet. 

Existem diferentes títulos, cada um com suas próprias características e prazos de vencimento. O Tesouro Selic é um dos mais indicados para quem quer começar a investir, pois tem liquidez diária e baixo risco.

Certificados de Depósito Bancário (CDBs)

Outra opção de investimento em renda fixa são os Certificados de Depósito Bancário (CDBs). Trata-se de uma aplicação em que você empresta dinheiro para um banco e recebe uma taxa de juros em troca. 

Existem diferentes tipos de CDBs, como os pré-fixados e os pós-fixados, e cada um tem suas próprias características e riscos. É importante analisar a rentabilidade oferecida pelo CDB e o seu prazo de vencimento.

Letras de Crédito Imobiliário e as Letras de Crédito do Agronegócio 

As Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e as Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs) também são opções de investimentos em renda fixa. São títulos emitidos por instituições financeiras visando captar recursos para o setor imobiliário e agrícola. Os rendimentos destes títulos são isentos de Imposto de Renda considerados de baixo risco.

Investimentos alternativos em renda fixa 

Investimentos alternativos são ativos financeiros que não se enquadram nas categorias tradicionais como as citadas anteriormente. O modelo de investimento que a INCO oferece é um exemplo de investimento alternativo, onde indivíduos investem dinheiro em projetos ou empresas em troca de juros. 

Os investimentos alternativos oferecem acesso a oportunidades de investimento que podem não estar disponíveis nos mercados tradicionais e podem, também, oferecer retornos mais altos. 

Renda fixa x Renda Variável

Além dos investimentos em renda fixa, existe também a renda variável. 

A diferença entre as duas é que na renda fixa, você empresta dinheiro para uma instituição financeira e recebe uma taxa de juros em troca, enquanto na renda variável, você compra uma parte de uma empresa ou um fundo e espera que o valor das ações aumente para obter lucro.

Conclusão 

Independente de você escolher começar a investir pela renda fixa ou pela renda variável, lembre-se da importância de não apenas iniciar cedo, mas fazer, se possível, aportes mensais. 

Mesmo que você tenha pouco dinheiro para investir, é importante começar o quanto antes. Investimentos de pequeno valor, porém, realizados com constância, podem aumentar de forma surpreendente ao longo do tempo. 

O ideal é começar com um plano de investimento que corresponda com seus objetivos financeiros e perfil de investidor. Mesmo com pouco dinheiro, é possível escolher investimentos de baixo risco e com boa rentabilidade, como alguns tipos de títulos públicos ou fundos de investimento.

Portanto, se você ainda não começou a investir, não deixe o tempo passar. 

Quanto mais cedo você começar, mais tempo terá para aproveitar os juros compostos e construir sua independência financeira de maneira sólida, segura e adequada às suas necessidades pessoais.

1 comentário em “Como começar a investir com pouco dinheiro: Dicas para iniciantes”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.