Como funciona a mineração de Bitcoin, isto é, como um minerador realmente extrai Bitcoin? 

Embora a palavra mineração implique que a recompensa esteja na extração de um minério precioso – ou na criação de um Bitcoin – na verdade, os mineradores contam com sistemas de computador superpotentes para validar blocos de transações digitais para fazer sua mineração criptográfica.

Pegue a picareta de mineração para aprender aqui como funciona a mineração de Bitcoin e entenda quais os impactos ambientais ele causa. Boa leitura!

Aproveite e baixe o e-book com o glossário do mercado financeiro: de A a Z tudo o que você precisa saber antes de começar a investir. Acesse o E-book gratuito aqui.

mercado-financeiro

O que é mineração de bitcoin

Simplificando, Bitcoin é uma moeda digital criada em 2009 a partir das idéias do pseudônimo Satoshi Nakamoto em um livro branco. Ele tem seu próprio site, onde os mineradores podem começar a usar o Bitcoin escolhendo uma carteira para comprar a moeda criptográfica.

O Bitcoin promete taxas de transação mais baixas do que os mecanismos tradicionais de pagamento on-line – e, ao contrário das moedas emitidas pelo governo, é administrada por uma autoridade descentralizada graças à tecnologia blockchain.

Mas, como funciona a mineração de bitcoin?

Ao contrário da maioria das moedas, que são emitidas por entidades únicas (geralmente bancos centrais), a Bitcoin é baseada em uma rede descentralizada. Suas transações são autorizadas por diferentes mineiros que resolvem simultaneamente equações complexas usando hardware especializado e muita energia. Mas qual é realmente o impacto do Bitcoin?

Sabemos que os Bitcoins não tem correlação direta com nenhuma moeda do mundo real, nem é controlado por qualquer governo ou entidade centralizada, mas as pessoas podem (e fazem) usá-lo para comprar itens do “mundo real” em grandes varejistas.

Para processar essas transações com segurança, entidades chamadas de “mineradores” competem para resolver problemas matematicamente complexos. O minerador que consegue resolver o problema adiciona um “bloco” ao blockchain do Bitcoin e recebe uma recompensa de 6,25 bitcoins. 

Isso não é apenas uma recompensa pelos esforços do mineiro, mas o processo de mineração é como os novos bitcoins são gerados e colocados em circulação.

Entenda como funciona a mineração de criptomoedas e quais são os efeitos no meio ambiente

A mineração de criptomoedas requer computadores com softwares especiais projetados especificamente para resolver equações matemáticas criptográficas complicadas. Nos primeiros dias da tecnologia, criptomoedas como o Bitcoin podiam ser minadas com um simples chip de CPU em um computador doméstico. Com o passar dos anos, entretanto, os chips da CPU se tornaram impraticáveis ​​para minerar a maioria das criptomoedas devido aos níveis de dificuldade crescentes.

Hoje, a mineração de criptomoedas requer uma GPU especializada ou um minerador Application Specific Integrated Circuits (ASICs), ou seja, circuitos integrados de aplicação específica (CIAEs), — circuitos orientados para implementação de tarefas específicas em domínios bem definidos.

Além disso, as GPUs na plataforma de mineração devem estar conectadas o tempo todo a uma conexão de Internet confiável. Cada minerador também deve ser membro de um pool de mineração de criptografia online.

Porque o bitcoin é ruim para o meio ambiente?

Nos últimos anos, com o preço do Bitcoin atingindo novos máximos (e baixos, como aconteceu recentemente com o Tweet do Bitcoin de Elon Musk), a atratividade da mineração do Bitcoin levou o consumo total de energia da rede Bitcoin a crescer em proporções épicas.

Uma vez que a mineração pode fornecer um fluxo sólido de receita, o número de pessoas — também conhecidas como mineradoras — dispostas a operar máquinas que consomem muita energia para obter um pequeno lucro de cada transação de Bitcoin que ajudam a aprovar disparou. Como resultado, a rede Bitcoin agora consome mais energia do que muitos países.

De acordo com o Índice de Consumo de Energia do Bitcoin da Digiconomist, o Bitcoin tem um impacto tão grande no meio ambiente (118,9 TWh / ano) — considerando a enorme quantidade de energia utilizada — que se compara ao consumo de energia de países como a Holanda (117,1 TWh / ano) ou Paquistão (125,9 TWh / ano).

Segundo o estudo intitulado “Bitcoin’s growing e-waste problem” traduzido como “O problema crescente do lixo eletrônico do Bitcoin”, publicado na revista Resources, Conservation and Recycling em 13 de setembro de 2021, o lixo eletrônico em geral “representa uma ameaça crescente ao nosso meio ambiente, desde produtos químicos tóxicos e metais pesados ​​lixiviados para o solo, até poluições do ar e da água causadas por reciclagem inadequada”.

O recente alerta de que o uso de eletricidade nas instalações de mineração de bitcoin em países como a Islândia e a Argentina, por exemplo, pode exceder o consumido anualmente pelas residências do país — o que poderia levar a uma potencial escassez de energia —, mostra a enorme quantidade de máquinas que, por sua vez, devem ter uma grande capacidade operacional necessária para minerar criptomoedas.

Para colocar em perspectiva a energia consumida pela rede Bitcoin, podemos compará-la a um sistema de pagamento como o VISA. De acordo com o Statista (maio de 2021), uma transação de Bitcoin sozinha gasta, em média, 1.200,86 kWh, enquanto 100.000 transações VISA gastam apenas 148,63 kWh – é uma diferença enorme.

Os impactos negativos do Bitcoin no meio ambiente

O impacto negativo do Bitcoin no meio ambiente não é apenas sobre a quantidade de energia usada. Outros fatores também precisam ser considerados como: 

  • energia;
  • hardware;
  • lixo eletrônico.

O tipo de energia usada também é importante, principalmente, quando falamos de energia poluente e não renovável, como é o caso da maior parte da energia usada na rede Bitcoin.

A maioria – cerca de 65% – das instalações de mineração está localizada em regiões (principalmente na China) que dependem de instalações de carvão (altamente poluentes) ou hidroeletricidade, que são baratas e pouco tributadas. O Cambridge Center for Alternative Finance estima que o carvão seja responsável por 38% da energia da mineiração do Bitcoin.

O impacto ambiental do hardware do Bitcoin

Infelizmente, não são apenas mais computadores de “mineração” que estão sendo produzidos e usados ​​atualmente. Essas máquinas também consomem mais energia do que as usadas durante os primeiros anos do Bitcoin.

O estudo de Stoll et al. (2019) concentra-se nessa questão, apontando que os mineiros de primeira geração usaram unidades de processamento central (CPU) em computadores pessoais convencionais com um poder de computação de menos de 0,01 gigahashes por segundo (GH/s) e uma eficiência de 9.000 joules por gigahashes (J/GH). Hoje em dia, essas CPUs foram descontinuadas e máquinas de 0,1-25 GH/ se 100-45 J/GH são as que prevalecem.

A rede Bitcoin também gera quantidades significativas de lixo eletrônico (e-waste).

A razão para isso é que a mineração de Bitcoin é feita com hardware especializado (de propósito único) que se torna obsoleto a cada 1,5 anos – segundo o estudo de Vries (2019).

O aumento contínuo da eficiência energética de novas interações de dispositivos de mineração significa que as máquinas mais antigas inevitavelmente se tornarão obsoletas em uma base regular, e serão, mais cedo ou mais tarde, pressionadas para fora do mercado.

A mineração de bitcoin é legal?

A questão de saber se a mineração de Bitcoin é legal ainda é bastante complexa e pode variar de país para país. A resposta curta é que o próprio Bitcoin, assim como a mineração de Bitcoin, são legais em muitos países desenvolvidos, incluindo EUA, Reino Unido e Japão. Em geral, porém, é aconselhável considerar o uso de qualquer criptomoeda dentro do contexto das leis e regulamentos em uma jurisdição específica, pois muitos ainda estão em mudança.

Em alguns países, o uso de criptomoedas é proibido e a mineração de Bitcoins é ilegal. Em outros países, como China e Índia, o uso de criptografia é restrito.

No Brasil, o bitcoin não tem regulamentação específica, porém, não é ilegal. Sendo assim, os brasileiros podem possuir e negociar criptomoedas no mercado, mas devem também declarar ganhos com o investimento dependendo do valor mensal movimentado.

Conclusão

Para aspirantes a se tornar mineradores de Bitcoins, ter curiosidade e um forte desejo de aprender é essencial.

O espaço de mineração de criptografia está em constante mudança, à medida que novas tecnologias surgem. Os mineiros profissionais que recebem as melhores recompensas estão constantemente estudando o espaço e otimizando suas estratégias de mineração para melhorar seu desempenho.

Por outro lado, os defensores das mudanças climáticas estão cada vez mais preocupados, à medida que mais e mais combustíveis fósseis são queimados para alimentar o processo de mineração de bitcoins. Essas preocupações devem ser avaliadas pelos investidores!

Gostou deste artigo? Aproveite e assine nossa newsletter e fique por dentro das novidades do mercado financeiro. Clique aqui. É gratuito!

Saiba como você pode começar a investir no mercado imobiliário. Acesse gratuitamente.

newsletter-mercado-financeiro

Publicações relacionadas