As expressões bull market e bear market significam que o preço das ações está subindo, ou refere-se às ações em queda, respectivamente. 

Metaforicamente, o mercado de ações de qualquer país é como uma montanha russa, ao pensarmos a respeito da volatilidade.

Isso significa que o mercado irá subir ou descer, o que em termos financeiros é referido como um bull market (mercado em alta) quando o cenário geral do mercado é otimista e o mercado de ações está subindo.

Por outro lado, se o mercado está se movendo para baixo, é referido como um bear market (mercado em baixa). 

As terminologias bull market e bear market são aplicáveis ​​a partir da forma como cada um destes animais atacam seus oponentes. Nos respectivos cenários, o touro (bull) lança seus chifres para o alto, enquanto um urso (bear) pisa com suas patas em sua presa.

Isto é, um mercado em alta é quando a economia está muito estável, o PIB está crescendo e a criação de empregos também está em alta, por exemplo. 

Neste cenário, a escolha de ações é mais confortável, pois a saúde geral é estável. Se um investidor está otimista, diz-se que ele tem uma “perspectiva otimista”.

Já um mercado em baixa é o oposto. A economia está passando por uma fase recessiva por um longo período e os preços das ações despencam rapidamente. 

Continue a leitura e entenda melhor o que é e como funcionam o bull market e o bear market na bolsa de valores.

Aproveite e baixe o E-book gratuito com o glossário sobre o mercado financeiro. Para acessar este material é só clicar aqui.

O que é bear market?

Um bear market é, normalmente, definido como uma queda no mercado em relação às altas recentes. O uso mais comum do termo é se referir ao desempenho do S&P 500, que geralmente é considerado um indicador de referência de todo o mercado de ações.

No entanto, o termo bear market pode ser usado para se referir a qualquer índice de ações.

Causas de um bear market

A causa comum de um bear market é o medo ou a incerteza do investidor, mas há também uma infinidade de causas possíveis. 

Embora a pandemia global da COVID-19 tenha causado o bear market  mais recente em 2020, outras causas históricas incluíram:

  • a especulação generalizada de investidores;
  • empréstimos;
  • oscilações do preço do petróleo;
  • investimentos excessivamente alavancados etc.

Bull market x Bear market

Um bull market é essencialmente o oposto de um bear market. A renda variável alterna ciclos de alta e baixa, e essas oscilações são nítidas ao longo da história.

Tanto o “mercado de touro” como o “mercado de urso” impactam a Bolsa de Valores, mesmo assim é possível aproveitar ambos para fazer bons investimentos.

Os mercados em alta ocorrem quando há um aumento sustentado nos preços das ações e são, normalmente, acompanhados por elevada confiança do consumidor, baixo desemprego e forte crescimento econômico.

De um modo geral, um bull market é definido como um aumento de 20% em relação às mínimas alcançadas em um mercado em baixa, mas a definição não é tão rígida quanto a de um bear market (mercado em baixa). 

Os investidores geralmente marcam o início de um mercado em alta no fundo do mercado de um bear market.

Por exemplo, o S&P 500 atingiu o ponto mais baixo da crise financeira em março de 2009, de modo que é considerado o início da alta do mercado, que durou até o início de 2020.

Como investir em um bear market

O bear market pode certamente ser um tempo assustador para os investidores, e ninguém gosta de ver o valor de suas carteiras cair. Por outro lado, pode ser a oportunidade de colocar o dinheiro para trabalhar no longo prazo, enquanto as ações estão sendo negociadas com desconto.

Conheça aqui outras opções de investimentos para você diversificar as possibilidades de ativos.

Confira algumas regras que você pode usar para investir em um bear market da maneira certa

Pense a longo prazo

Uma das piores coisas que você pode fazer em um mercado em baixa é ter reações instintivas aos movimentos do mercado. 

O investidor médio apresenta desempenho significativamente inferior ao do mercado de ações geral no longo prazo, e o principal motivo é entrar e sair das posições de ações muito rapidamente.

Quando as ações despencam e parece que continuará caindo, é nosso instinto vender “antes que as coisas piorem”. Então, quando o bull market ocorre e as ações continuam atingindo novas máximas, aplicamos nosso dinheiro.

É de conhecimento geral que o principal objetivo de investir é comprar na baixa e vender na alta, mas, ao reagir emocionalmente às oscilações do mercado, você está literalmente fazendo o oposto. 

Foco na qualidade

Uma das citações favoritas de Warren Buffett é: “Quando a maré baixa, descobrimos quem nadou pelado”. Em outras palavras, quando a economia vai mal, as empresas que estão super alavancadas ou não têm nenhuma vantagem competitiva real tendem a ser mais atingidas.

Por isso, em tempos de incerteza, é importante focar em empresas com balanços sólidos e vantagens competitivas claras.

Não invista no “fundo do poço”.

No bear market, mais investidores querem vender suas ações, com medo de terem prejuízos — o que faz com que a oferta de ativos seja maior do que a demanda e, consequentemente, faz com que os preços caiam.

Quem optar por comprar nesse momento de baixa pode ter que esperar muito tempo para ver o lucro na aplicação, já que a queda dos preços pode ser longa.

Uma coisa a ter em mente durante os mercados em baixa é que você não vai investir no fundo do poço. Compre ações porque deseja ter o negócio no longo prazo, mesmo que o preço das ações caia um pouco mais depois de comprar.

Conclusão

Apesar de as terminologias serem usadas em conjunto ao explicar os conceitos, há diferenças em ambos os cenários.

O bull market ocorre quando o cenário geral do mercado é positivo e o desempenho do mercado está em alta. Já um bear market ocorre quando o desempenho do mercado está em declínio.

Em um mercado em alta, as perspectivas do investidor são muito otimistas, e isso é visível quando os investidores assumem uma posição de compra no mercado de ações. 

Dessa forma, a expectativa é de que os preços dos títulos aumentem ainda mais e o investidor tenha a oportunidade de maximizar as oportunidades de lucro. 

Por outro lado, em um mercado de baixa, o sentimento do mercado é bastante pessimista e refletido por investidores que assumem uma posição de venda.

Sendo assim, devemos fazer uma leitura minuciosa do comportamento do mercado de ações, avaliar as flutuações do mercado e a capacidade de assumir riscos na hora de investir.

O caminho é sempre avaliar o seu horizonte de tempo na hora de investir e o perfil do investidor. Isto é, independentemente do estado atual do mercado de ações, é importante manter o foco nas perspectivas de longo prazo das empresas nas quais você está investido e que darão retornos significativos para seu portfólio ao longo do tempo.

Além disso, é necessário entender que o cenário financeiro está em mudança contínua. Por isso, procure sempre buscar novas alternativas de investimento para se dar bem e sair na frente! 

Nossa dica de hoje é que você confira uma das tendências do momento: o investimento colaborativo! Confira aqui. 

Assine nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades do mercado financeiro. Clique aqui.

Publicações relacionadas